top of page

Entenda os impactos da crise hídrica nos seus investimentos.

Nesta publicação você irá entender os efeitos da maior crise hídrica dos últimos tempos, e como ela pode afetar o seu bolso e os seus investimentos na bolsa de valores.


O temor de uma crise energética similar à observada em 2001 assombra o mercado. Estamos presenciando a pior seca em 91 anos no Brasil. Desde 1930 o volume de chuvas não era tão baixo no país, que ainda sofre com um fenômeno La Niña ainda mais acentuado.

As reações em cadeia estão começando a ser percebidas no bolso do consumidor, principalmente através do aumento no gasto mensal com energia.


Em uma tentativa de desincentivo ao consumo de energia elétrica para impedir o racionamento, a Aneel criou uma bandeira específica para o momento, chamada "bandeira de escassez hídrica", acrescentando R$ 14,20 na tarifa para cada 100 KWh gastos. Em um consumo típico de 200KWh/mês, o consumidor poderá ter um gasto adicional que chega a R$ 28,40 (2,58% do salário mínimo nacional).


Mas o desafio para o consumidor vai além: As empresas, que também irão sofrer com maiores custos de energia, tendem a repassar o aumento no preço de seus produtos para o consumidor. Daí vem um fator chave: O consumidor pode ter uma perda ainda maior no poder de compra através da inflação generalizada. O que deixa menos recursos para que o consumidor possa comprar itens que não sejam considerados essenciais, e que acaba afetando a demanda sobre outros setores como varejo e turismo. É o efeito dominó.


Entretanto, uma mudança nos últimos anos pode servir como um alívio para a população, e permitir um cenário diferente do observado desde o início do milênio.


A matriz energética do Brasil avançou na diversificação, reduzindo sua dependência das hidrelétricas, antes responsáveis por 90% da geração de energia, e agora por apenas 70%. Paralelamente à diversificação, a evolução nas linhas de transmissão também permitem uma troca mais acentuada de energia entre regiões: Atualmente, o Brasil possui 145,6 mil km de rede de transmissão (vs 70 mil em 2001).

Análise de ações na bolsa de valores - Relatórios de investimento sobre energia
Evolução da representatividade da matriz de geração de energia por fonte - Brasil. Fonte: RPS; EPE
Análise de ações na bolsa de valores - Relatórios de investimento sobre energia
Projeção e evolução da rede de transmissão de energia no Brasil. Fonte: Eletrobras

Ainda que as demais fonte de energia renovável (eólica e fotovoltaica), estejam mais presentes, há uma dependência de condições climáticas favoráveis (vento e sol em abundância), que nem sempre estão disponíveis. Por isso a diversificação é tão importante.


E nas empresas, qual o impacto?


Nas empresas, o impacto da crise hídrica poderá ser observado diretamente nas margens operacionais, e que eventualmente podem se traduzir em piores resultados trimestrais, caso o aumento nos custos não sejam passados ao consumidor. Entretanto, esse impacto se apresenta de forma mais intensa nas indústrias, que utilizam energia em larga escala para sua produção.

Análise de ações na bolsa de valores - Relatórios de investimento

E o setor de energia na bolsa, como fica?


Dentre o setor de energia, as geradoras hidrelétricas devem ter um impacto negativo mais acentuado, uma vez que precisam recomprar energia no Mercado Livre (que não é aquele de e-commerce), para honrar seus contratos.


As distribuidoras de energia, por sua vez, possuem um risco maior atrelado à inadimplência dos consumidores, uma vez que o reajuste não poderá ser honrado por boa parte dos consumidores.


Até quando pode durar?


A solução do problema é simples, mas alheio à nossa vontade: O país precisa de mais chuvas. E se o padrão histórico for alguma referência, estamos próximos de uma melhora no cenário. Desde maio estamos no considerado "período seco", que termina neste mês de setembro, enquanto o período úmido, (quando há um maior volume de chuvas), se inicia em outubro e vai até abril.


Entretanto, ainda que as chuvas retomem à normalidade, o impacto na inflação pode ser visto até o próximo ano, uma vez que as distribuidoras de energia repassem parte do custo que está sendo absorvido neste ano.


Como evitar que isso aconteça novamente?


Para que o país dependa menos da energia proveniente das hidrelétricas, o governo e as empresas do setor privado precisam investir substancialmente na geração de energia proveniente de outras fontes, como a solar e a eólica.


Ao conter uma matriz energética ainda mais diversificada, o impacto negativo de um eventual volume de chuvas abaixo do esperado, pode ser atenuado e compensado por outras fontes no futuro. A previsão é que até o final da década, o Brasil possua mais da metade das fontes de energia que não seja dependente de recursos hídricos.


Ao investidor, resta olhar não só olhar para os céus e aguardar as chuvas nos próximos 4 meses, mas ficar ligado na Alkin Research porque estaremos atentos à evolução dos índices pluviométricos e do abastecimento de energia para levar a você, o melhor conteúdo.


Quer entender mais sobre o setor de energia na bolsa?

Consulte nosso relatório exclusivo sobre o setor nessa publicação gratuita.

Análise de ações na bolsa de valores - Relatórios de investimento



留言


bottom of page