top of page

Como o Coronavírus pode afetar a Bolsa de Valores?

O que é o Coronavírus?

O Coronavírus é um tipo de vírus que teve seus primeiros registros em 1960, causando desde infecções respiratórias leves em seres humanos e animais, até níveis mais elevados de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS na sigla em inglês).


Cenário atual

A China teve uma epidemia desse vírus (bastante similar a uma pneumonia) em 2012, quando 8000 pessoas foram infectadas e houve 800 fatalidades. Em 30 de dezembro de 2019 foi reportado o primeiro caso de um novo coronavírus, bastante similar ao de 2012.


No momento dessa publicação, já foram registrados 830 infectados pelo novo agente ao redor do mundo dentre ao menos 25 mortes. O Brasil, teve um caso suspeito mas não confirmado do vírus, e até o presente momento está livre do contágio.


Investidores começam a temer os impactos na bolsa de valores Um grande catalisador para que o vírus saia do controle e aumente medo dos investidores, é a proximidade com o Ano Novo Lunar comemorado na China. No período de 23 a 30 de janeiro, haverá um fluxo imenso de pessoas em decorrência das festividades. Tal fluxo de viagens e aglomeração pode potencializar o contágio do vírus, causando mais vítimas e fatalidades.


Uma série de medidas começou a ser tomada nos países que registraram casos da doença, desde aeroportos fechados, restrição alimentares e recomendações nos locais mais afetados para que a população saia de casa somente em casos estritamente necessários.


Portanto, não é surpreendente uma redução no nível de atividade das empresas aéreas, menor demanda por petróleo (já que haverá menor demanda para combustíveis), baixa presença em restaurantes, shoppings, hotéis e lazer. Resumindo, qualquer empresa que dependa do fluxo de pessoas, será majoritariamente impactada.


Por outro lado, seguindo o ditado de "Enquanto uns choram, outros vendem lenços", há quem se beneficie do caos. Visando mitigar o impacto em seus portfólios, investidores ao redor do mundo buscaram prontamente ações ligadas a produtos e serviços médicos. A Zhende Medical, empresa de serviços médicos listada em Shanghai, protagonizou um aumento de 37% em suas ações somente nessa semana, ganhando mais de CNY 1 bilhão em valor de mercado no período.

Ações da empresa Zhende Medical negociadas na bolsa de valores de Shanghai acumulam alta expressiva
Ações da empresa Zhende Medical negociadas na bolsa de valores de Shanghai acumulam alta expressiva

Outras empresas, além das relacionadas a serviços e produtos médicos, também podem se beneficiar do momento de instabilidade. Serviços de Delivery e compra online tendem a um aumento significativo de demanda enquanto consumidores buscam opções mais seguras, como realizar refeições em seus lares.


Se já tivemos um caso parecido em 2003, como o mercado reagiu?


Da mesma forma que estamos presenciando, o impacto negativo de curto prazo foi notório no mercado de ações em 2003. Entretanto, em poucos meses, uma vez que medo e doenças foram controlados, houve um retorno aos patamares pré-vírus e até mesmo uma expansão significativa dos índices acionários.


No dia 23 de janeiro deste ano, último dia antes do fechamento temporário do mercado acionário Chinês por conta do feriado, a bolsa de Shanghai chegou a cair 3,52%. Com o retorno apenas em 31 de janeiro, os investidores buscaram antecipar o impacto da evolução do vírus nos 5 dias em que a bolsa de valores ficará fechada.


Se surtos anteriores são um guia nesse sentido, é possível esperar uma busca mais intensa no curto prazo por ações mais defensivas (menos sensíveis à atividade econômica) ou que se beneficiem do caos no curto impacto. Por outro lado, ações que sejam mais intrinsecamente ligadas ao nível de crescimento do PIB mundial ou com um nível de preços/lucro mais elevado, tendem a uma performance inferior até que haja uma estabilidade na causa do problema.


No gráfico abaixo é possível observar o impacto no mercado de ações global sob a ótica de diversas epidemias registradas.

Performance do MSCI World Index em relação a diversas epidemias (1975-2020). Fonte: Charles Schwab
Performance do MSCI World Index em relação a diversas epidemias (1975-2020). Fonte: Charles Schwab

É possível esperar então, que a descoberta de curas, vacinas e erradicação de doenças, traga um alívio aos investidores, de modo a mitigar o impacto nas empresas em um horizonte de tempo mais extenso.


No entanto, somente a evolução e severidade do presente vírus irá ditar o ritmo e percepção do mercado. Ainda que este tenha gerenciado o contágio em si próprio de epidemias passadas, não há promessa de que dessa vez não será diferente.

 

Seja o primeiro a receber novas publicações!

 

Disclaimer: Todos os valores e justificativas apresentadas nessa publicação são de caráter informativo, não configurando recomendação de compra ou venda para as ações ou mercados mencionados. Reiteramos nossa orientação de que o investidor amplie seu conhecimento antes de tomar uma decisão a respeito de qualquer ativo.

Comments


bottom of page